ressaca eterna sobre faq index

22.5.18

são dois meses. duas frases.

eu só preciso que esse semestre acabe.
e eu só preciso sobreviver até o seu fim.

1.4.18

sol em áries.

Não é bem inferno astral.
É um reflexo de estar ficando mais velha do que eu gostaria – como se eu tivesse alguma escolha –, com o descaso acadêmico que foi o mês de Março.
É a fraud police batendo à porta.
Aquela sensação que te engole às vezes de que você não faz a menor ideia do que está fazendo, do que deveria fazer, de como deveria fazer. Só sabe que seja lá o que está fazendo, está fazendo errado. Recorrente nas madrugadas dessa última semana.

Intercalado com isso vem aquela paz.
Proveniente de caminhadas por Lisboa. De enfrentar medos irracionais. De organizar as coisas da melhor maneira possível. De maratonar seriados do Gordon Ramsay. De fazer listas de compras na IKEA sonhando com o dia que finalmente vou terminar de decorar o apartamento.

Olá, Abril.

13.3.18

🌧

há duas semanas que só chove.

5.3.18

ainda sobre tempestades.

Fui acordada no meio da madrugada com o som alto dos trovões e da vibração dos estores na janela. Desde que passei a gostar mais de caminhar sem rumo e admirar a vida, passei a gostar menos de chuva, ou para ser mais justa, da limitação que esta impõe. Mas eu sinto falta das tempestades. Da força dos relâmpagos rasgando os céus e do estrondo e estalar dos trovões. Dos clarões azulados. De relembrar o quão ínfimo somos nós perante a natureza.

Quase nunca relampeja em Portugal.

2.3.18

for a minute there.

E depois de todos esses anos, Radiohead mantém sua capacidade de me transportar para outro mundo, flutuar no timbre do Thom Yorke, me perder nos acordes do Jonny Greenwood. É inspiração instantânea.