ressaca eterna sobre faq journal

3.1.10

procura-se inspiração.

Quando foi que perdi a capacidade de me expressar por textos? As palavras fogem de minha cabeça, se recusam a permanecer muito tempo no papel. Eu me distraio facilmente, não me concentro no que estou fazendo. Não consigo pensar em um começo, pois não sei o quero começar. Mesmo quando a idéia está pronta na minha cabeça, ela está escondida e não consigo encontrá-la. Penso nela quando não preciso, e quando preciso ela não está em lugar algum. Ideia, para onde foi?
Pior é não saber como essa falta de inspiração começou. Talvez eu precise ler mais, mas isso eu já faço. Livros, revistas, legendas de filmes, fanfics de outros. Ou eu precise ler menos, para não confundir a realidade com a ficção da forma que eu costumo fazer. Pode ser o ócio, a ausência de luz solar, a saudade da rotina da escola, o fato de estar acordando tarde. Talvez eu não tenha idéia pra minha falta de idéias.
O que me perturba mais é ler coisas que escrevi antigamente, quando as palavras ainda fluíam ao invés de conspirar contra mim. Me arrependo de nunca ter terminando nenhuma delas, se soubesse da minha falta de inspiração atual teria aproveitado para escrever mais, ter material de sobra para momentos como esse.
E outro grande problema é que mesmo sabendo o que quero dizer, não consigo fazê-lo, pois nessas horas idéias demais inundam minha mente, e não consigo organizá-las. Não consigo fazê-las coexistir em um mesmo espaço. Elas se espalham pelo papel de qualquer forma, e o resultado nunca é o esperado.
O mais interessante é que talvez essa seja a coisa mais decente que escrevo em muito tempo, e meu objetivo quando abri essa página em branco era escrever sobre um sonho que tive, pois durante o sono minha criatividade ainda não foi completamente destruída... o que me faz pensar que o problema esteja em minha cabeça, e seja mais consciente do que eu pensava.
E um grande “Viva!” para a vida moderna. Nem Johnny Cash mais me transporta para o universo em que eu costumava trabalhar minhas ideais.

Nenhum comentário: